29 agosto 2013

os nomes das coisas


De que falamos quando dizemos piropo?

Quando trabalhava na Market Street, em San Francisco, gostava muito de ouvir os piropos dos homeless. Eu era a Carolina do Mónaco e eles o meu Karl Lagerfeld: experts de moda, exprimiam a sua admiração de forma educada e respeitadora.
Uma vez, durante uma espera de várias horas no aeroporto de Frankfurt, um desconhecido ofereceu-me uma rosa. Explicou que estava já há algum tempo a observar-me enquanto eu lia, e que a cena era tão bonita que não resistira. Depois foi-se embora.
Estes serão os pontos altos da minha carreira de piropos recebidos, mas não são casos únicos. Muitas foram já as frases de desconhecidos exprimindo estima - frases fundadas no respeito entre iguais, acompanhadas por um sorriso caloroso. Também as digo, a homens e a mulheres, se me apetece e a situação o permite. Piropos bons, que dão satisfação tanto a quem oferece como a quem recebe.

De que falamos quando dizemos piropo?

No caminho para a escola, era certo como dois e dois serem quatro: um grunho qualquer havia de me rosnar "ah, boazona! fodia-te aqui já toda!" ou "que boa boquinha pró meu caralho" ou outra delicadeza semelhante. Nos dias piores vinham em grupo e riam-se muito, noutros chegavam mesmo a tocar-me. Que mal tem uma mão a roçar o meu braço? O mal suficiente para me deixar com vontade de lixar a pele até sair todo o asco.

Se quero criminalizar esta escória? Claro que não! Bastava-me que lhes cortassem os guizos a frio e os deixassem a esvair-se em sangue na sarjeta. Estou a brincar. Estou a dizer o ódio que lhes sentia naquele momento.

Anos mais tarde, em conversa com um amigo a propósito de um ksssssss! que me fora ciciado demasiado perto do ouvido, ele achou que eu estava a exagerar. Mas depois foi conversar com a sua mulher, que atravessara a adolescência com copa C, e ficou inteirado. E chocado. Nem durante a gravidez a respeitaram, e muito menos com um recém-nascido ao colo. O marido não se dera conta de nada disso.

A nossa sociedade não repara no que fazem às raparigas mal o seu corpo começa a ganhar formas de mulher. E prefere ignorar que, no espaço público, as mulheres são repetidamente sujeitas a frases humilhantes e intimidatórias. Diz que são piropos, fazem parte do folclore nacional, dão mais colorido à rua - e quem não gostar, que se defenda.  

Por estes dias o Bloco de Esquerda propõe um debate sobre este tema, que infelizmente nasceu inquinado por dois equívocos:
- a TSF pôs a palavra "criminalização" no título da notícia, apesar de não serem essas as intenções do BE (segundo li algures).
- a palavra-chave usada é "piropo", que tem as costas larguíssimas e se presta a muitos mal-entendidos.

Por esses motivos o debate, que seria bem necessário, está a ser chutado para canto pelas habituais manobras de diversão: que mal tem um piropo? que mal tem dizer a uma mulher que está bonita? agora já se vai preso só por olhar? e uma mulher é um ser tão frágil que precise de ser protegido dessa maneira?

Parece-me muito curioso que se tenha escolhido a palavra "piropo" e não "assédio no espaço público", por exemplo. Admito que com isso se pretenda chamar a atenção para a maleabilidade do conceito e a maleabilidade do respeito pelas mulheres, aqui na nossa coutada do macho latino, bem como alertar para o facto de que o uso desta palavra de ar tão inócuo, tão "brandos costumes", acaba por eufemizar, encobrir e desculpabilizar uma realidade inaceitável.
Uma escolha com riscos, como bem prova o rumo equivocado que a discussão está a tomar.

Este momento do debate lembra-me um episódio acontecido há quarenta anos numa escola berlinense. Um professor completamente tarado castigava os alunos, rapazes adolescentes, com palmadas no rabo. Negociava: vestido, dez palmadas; nu, apenas cinco. Depois punha-lhes creme nas nádegas, para aliviar a dor. O pai de um desses alunos tirou o filho da escola e enviou uma carta ao director dizendo que não concordava com os métodos pedagógicos do professor. Ele bem sabia que alguma coisa estava profundamente errada, mas faltava-lhe a palavra certa para designar o fenómeno, porque ainda não se começara a tematizar o problema da pedofilia nas escolas. Existia, mas ainda não lhe tinham dado o nome exacto.  

Era bom que começássemos a olhar para esta problema com olhos de ver, e procurássemos a palavra certa para o designar.

Pergunto-me porque é que algumas pessoas (por cuja seriedade na discussão de ideias tenho, e mantenho, o maior apreço) estão a bagatelizar e a ridicularizar este tema, perguntando "que mal tem fazer um elogio a uma desconhecida?" como se fizessem questão de ignorar que o que está em causa são atitudes de intimidação das mulheres.
Mais: a que propósito se tenta deslocar a questão para um eventual problema que as mulheres terão com o seu próprio corpo, ou para os guetos ideológicos (serão marxistas compulsivas...), e sabe-se lá que mais?
Também não percebo porque é que, em nome do feminismo, se afirma que este é um problema que cada mulher saberá resolver, e que fazer dele tema de debate chega a ser ofensivo para as mulheres. Equiparo estes ataques aos das frases racistas e homofóbicas - porque é que não havia de ser um problema tematizado pela sociedade? E alguém se lembraria de dizer que uma frase racista largada na rua contra uma pessoa de pele escura é um problema que aquela pessoa tem de saber resolver sozinha, ou ignorando, ou metendo o agressor na ordem, nem que seja com uma bofetada? Vá, não brinquem comigo.

Duas notas finais:

- Antes de o BE trazer este assunto à baila, já a Rita Dantas o tinha referido. Recomendo a leitura deste post e dos respectivos comentários.

- A foto no princípio deste post foi tirada deste site, e acompanha um texto bastante interessante, do qual retirei uma parte. Dito assim, em inglês, fica claro como água.

Basically, with every rude comment or leering stare, the harasser is saying this: “I have the right to say what I want and do what I please here, and you just have to deal with it.” He is saying, “your body is mine to look at and to comment on without your consent.” And he is saying, “you’re going to like this attention I’m giving you, you should like this attention I’m giving you, and if you don’t, there’s something wrong with you, not me. You’re too uptight, too frigid, too whatever. Your reaction is the problem, not my behavior.”
Victims of street harassment are often made to feel like they have no right to be upset, like they should just shut up and take it when people speak to them like that. But we need to fight back against that notion and call it out for what it is – a large, steaming pile of bullshit. I’m asking you (all of you – men, women, gay people, straight people, ALL people) to do this: take street harassment seriously. Don’t harass people, don’t let other people be harassed, and don’t let yourself be harassed. Stand up, fight back, and make a difference.
Our streets and our world will be much better for it.

30 comentários:

Rita Maria disse...

Que post fantástico, andei aí eu a desperdiçar bate-boca nas caixas de comentários de blogues....se fosse hoje, punha um link para aqui e pronto. Não sabias ter escrito isto ontem?

(gostei muito da citação do fim também, vou investigar o site)

Helena disse...

Então andou toda a gente a falar disto, e eu não reparei?
(Esta insularidade dá cabo de mim...)

Gi disse...

Excelente post, Helena. Falas por todas as mulheres de Portugal, e mesmo, suspeito, de toda a bacia mediterrânica.

Quanto à "insularidade", não é maior a da Alemanha que a do Algarve ;-)

Helena disse...

Obrigada, Gi.
Agora moro num sítio onde não há grunhos a incomodar-me na rua. Vive-se tão bem assim!

snowgaze disse...

Ola' Helena e Gi :)
Só para dizer que em dois meses de Algarve não me senti assediada nem uma vez. (E nem vou brincar com o assunto.) Nem uma vez me lembrei que ia de calções (muito) curtos, ou tops muito decotados, ou o que fosse, saia como me apetecia e ninguém me incomodou. Se calhar o Algarve e' diferente do resto do pais?

jj.amarante disse...

Belo texto!

Helena disse...

snowgaze,
permito-me a boca foleira do dia: isso é que vai uma crise!...
;-)

Se calhar o assédio na rua é um fenómeno de classes sociais mais baixas, pessoas que não podem ir fazer férias no Algarve. E os residentes que tivessem essas tentações às tantas já "engoliram o piropo" por verem que se movimentam num meio onde o assédio não é bem-vindo por ninguém.

jj.amarante,
obrigada!

snowgaze disse...

Estava a ver o "debate" sobre o assunto no twiter, e num artigo na net, e tive que vir aqui acrescentar que isto tem mesmo que ser debatido. Precisamente pelo facto de a maioria das pessoas (pelo menos as que estão a falar disto) não perceberem que uma coisa e' receber um elogio, outra coisa e' a violência verbal. Esta' muita gente a misturar alhos com bugalhos (ou a fazer-se desentendida), e quem perde e' a sociedade como um todo. Ja' era tempo de evoluirmos.

joana disse...

óptimo post.

Anem disse...

Parabéns ! Pela lucidez da análise, clareza dos argumentos e por ter posto o dedo na ferida.

Cat SaDiablo disse...

Como dito no texto e na citação em inglês, o meu corpo é deles para que olhem, para que digam o que quiserem e para mim deve ser um elogio. Se essa noção é real, qual a distância da liberdade e incentivo para olhar e falar, à liberdade de tocar?

Enquanto por aqui se fala de mandar engolir piropos, no UK já se fala do passo seguinte: o tocar o corpo de uma mulher em lugares públicos, nomeadamente comboios e autocarros lotados em que por razões óbvias de espaço, corpos de estranhos naturalmente se tocam. Jovens sentem mãos (e outros membros) mas não dizem nada, porque é sem querer, porque é impressão, porque a culpa é delas, que a saia é curta demais ou o top demasiado decotado, e vão para casa envergonhadas, humilhadas e abusadas.

É uma discussão séria e só me entristece, mas não surpreende, ver nas redes e na vida real homens e mulheres a desvalorizarem esta questão neste meu país.

Porque o que é bom é para se ver, não é que o nos dizem desde sempre?

Obrigada pelo post.

Marta Leal disse...

Brilhante, Helena, brilhante. Eu andava aqui entupida e não sabia como expor o meu ponto de vista ... vou partilhar! Obrigada :-)

Helena disse...

Obrigada a todos.
Acrescento que (acabei de descobrir que) já em 2011 a Fernanda Câncio tinha dito algo semelhante:
http://jugular.blogs.sapo.pt/2741841.html

Era bom que se falasse sobre isto com seriedade.

overflow disse...

A mim assusta-me a incapacidade que grande (mesmo grande) parte das mulheres tem em ouvir - não um piropo - mas sim um elogio.

Helena disse...

Aviso aos comentadores: os comentários estão moderados, mas a moderadora está de saída para fim-de-semana (sem internet).
Na segunda-feira cá nos encontramos de novo.
Desculpem o incómodo.

Luana Cunha Ferreira disse...

Obrigada Helena. Conseguiu ilustrar na perfeição meu ponto de vista, pelos vistos partilhado. O dia de hoje e as dezenas de comentários disparatados que tenho visto por aí servem mesmo para mostrar que há muito poucos capazes de discutir seriamente este assunto.

Não tenho qualquer problema com piropos - elogios simpáticos baseados no apreço e no respeito entre iguais - e tanto os dou como os recebo.

O mesmo já não acontece com os insultos feitos com um sorriso, as ameaças veladas, as agressões verbais e sexualmente explícitas que me acompanham na rua desde os meus 11 anos de idade e que muitos homens (e mulheres) deste país consideram também como 'piropos'. Não é piropo, é assédio, e não é inofensivo, é insistente, é frequente, é perturbador, é generalizado, é uma violação constante do espaço pessoal, e sim, deixa marcas: ódio e asco - típicas cicatrizes de opressão. Torna o espaço público mais de uns do que de outros.

Torna-me menos livre.

snowgaze disse...

Viste este texto? http://papodehomem.com.br/como-se-sente-uma-mulher/

vale a pena ler.

E.A. disse...

Os visitantes do Algarve são de todas as classes sociais, desde o trolha ao médico cirurgião. Nós residentes, talvez pela habituação da postura arrojada de muitas turistas poderemos não dar tanta atenção à possível "vitima" de piropo como por exemplo noutros locais mais recatados.Claro que também há "piropeiros" bem porcos nas palavras usando linguagem imprópria para menores de 70 anos e inclusive eu já assisti a alguns "piropeiros" em acção por aqui (Algarve) e não é nada gracioso ao ouvido.Mas é como tudo, depende do local, da hora e do azar/sorte de cada um

Mintchocolate Kitty disse...

Entre o "fodia-te os buracos todos" e "a senhora é muito bonita" vai a distância que existe entre um murro e uma carícia. Os do primeiro tipo ouço, infelizmente, quase todos os dias. Os do segundo tipo só ouvi uma vez, o que diz muito sobre Portugal ser fértil em homens malcriados e poucos saberem o que é um verdadeiro elogio.

Helena disse...

Luana, aí está uma bela síntese.

snowgaze: obrigada pelo link. Pois é... :(

E.A., então vai-se a ver e eu estava a acreditar que o Algarve andava perto do paraíso, e afinal era mentira?... ;-)

Mintchocolate Kitty, o que eu não percebo é que as pessoas insistam em não perceber a diferença.

mar disse...

Excelente post! Tenho passado o fim de semana a tentar explicar precisamente isso mas parece que não tenho conseguido passar a mensagem. (E, infelizmente, quando oiço mulheres a dizer coisas como 'com aquele corte de cabelo/peito raso/pele oleosa/etc, etc, a gaja [sic] do BE nunca deve ouvir piropos e está com inveja' convenço-me de que afinal o problema não deve estar na forma como me me expressei.)

Helena disse...

Obrigada, Mar.
Já deixei de tentar compreender porque é que as próprias mulheres insistem em ridicularizar e humilhar as outras mulheres.

Michel G. J. BINET disse...

Excelente ! Obrigado !

Helena disse...

Obrigada!

joaquim santos disse...

Simplesmente...mudou a minha opinião sobre o assunto! Excelente texto.

Helena disse...

Joaquim Santos,
embora não tenha escrito o texto com intenção de mudar a opinião fosse de quem fosse, ao ler o seu comentário dei-me conta de que esse foi o maior elogio que me fizeram! Obrigada.
:)

Unknown disse...

Quando li deterninadas bloggers (a ursa, por ex, do quadripolaridades) a fazerem chacota sobre o assunto, e pior, a divulgarem "piropos" fofinhos como se o fosssem realmente tipo "ricas pernas a que horas abem", pensei que eu é que era a anormal, todas as outras mulheres gostam de ouvir estas coisas. Obrigada por ser diferente. Sinto-me menos só.

Helena disse...

A reacção de algumas mulheres foi o mais surpreendente deste debate.
Mas fico contente por finalmente se estar a dizer em voz alta o que todas nós sofremos, em silêncio e sozinhas.

Sofia Morezo disse...

excelente post...de facto todas nós sofremos isto...bem caladinhas como manda a "etiqueta" pois caso contrário ainda somos chamadas de "ordinárias" e para mim, o mais grave, é que começamos a ouvi-los desde muito novinhas...já era altura de mudar esta mentalidade!!!

Helena disse...

Ainda nos chamam ordinárias, ou ainda levamos um apalpão, para ganharmos juízo...